Informativo

Município de Laguna – Santa Catarina – Brasil

Postada em 31/07/2011 às 20:12:05


Município de Laguna – Santa Catarina – Brasil

Localização Geográfica


Área: 353km2 , sendo 129km2 de zona urbana, distrito de Pescaria Brava com 28km2 e Ribeirão Pequeno com area de 126km2.

População: Total de 51.554 habitantes, segundo censo IBGE/2006

Faixa Litorânea: Extensão 28.706 metros

Localização: Situado na Região Sul do Estado de Santa Catarina. Apresenta latitude de 280 28′ 54” ao Sul e longitude 480 46’56” à W de Greenwich e altitude média de 4 metros

Limites: Ao norte município de Imbituba e Imaruí,
Ao sul o município de Jaguaruna
Ao oeste, os municípios de Capivari de Baixo, Gravatal e Tubarão,
Ao leste, com o Oceano Atlântico

Faixa Litorânea: Extensão 28.706 metros

Situação Geográfica

Laguna localiza-se na zona fisiográfica que leva o seu próprio nome. A sede possui as seguintes coordenadas geográficas: 28°, 28″, 54′ de latitude Sul, e 48°, 46″, 56′ de longitude W GR. A sede municipal apresenta-se a quatro metros de altitude.

Distâncias: a 99  km de Florianópolis, em linha reta, e 126 km pela BR 101.

História da Cidade
A história de Laguna começou há seis mil anos com os primeiros registros de comunidades pré-históricas, os sambaquis, chamado pescadores-coletores, formações elevadas compostas de conchas, ossos, restos de fogueiras e artefatos, alguns com 35 metros de altura.
O povo dos sambaquis, de acordo com estudos, teve contato com os xoklengs e carijós vindos do oeste, e absorveu a cultura de outras tribos. Os índios se adaptaram a região devido à proximidade com a lagoa, uma fonte de alimentos.
De acordo com levantamento do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan) o município conta com 43 sítios arqueológicos, de artefatos do povo sambaqui e dos guaranis.
Laguna nasceu em terras de disputa colonial. Durante os séculos XVII e XVIII, as disputas de terras entre as metrópoles portuguesa e espanhola resultaram no Tratado de Tordesilhas (1494). Desse conflito entre metrópoles, uma extensa colônia passava a se formar.

A cidade foi fundada em 29 de julho de 1676., Laguna serviu como posto avançado da coroa Portuguesa, utilizada como ponto estratégico de apoio para o desbravamento da região sul, como local da resistência nos conflitos existentes entre Portugal e Espanha,  pela posse do território não explorado. Seu fundador Domingos de Brito Peixoto, lançou as bases de um povoamento que seria no futuro, cenário de importantes acontecimentos da história brasileira.
Tendo alcançado projeção na Guerra dos Farrapos onde abraçou o ideal republicano, foi em Laguna que se instituiu  pela segunda vez, em território brasileiro, uma república, chamada de República Catarinense ou Juliana.
Embora de curta duração, pois logo as forças imperiais retornaram o território, a República Juliana permanece no decorrer dos anos, como exemplo da cultura, do ideal e da coragem do povo lagunense, na defesa dos seus ideais de justiça e igualdade. Mas Laguna também participou da guerra do Paraguai, destacando-se mais uma vez a coragem e a bravura de seus filhos. Hoje suas ruas estreitas, seu casario, bem como sua história, estão protegidos, tombados pelo patrimônio Histórico Nacional.  Laguna conservará para sempre um passado altaneiro que sempre abrirá suas portas para um futuro brilhante.

Localizada na extremidade Sul da península, ao redor dos morros, em área ja quase totalmente ocupada. Sua tendência natural de crescimento faz-se em direção ao norte, área de expansão urbana natural. Em Laguna, temperatura e chuva são diretamente proporcionais.
As médias temperaturas correspondem  a baixos índices pluviométricos.  Seu clima sofre nítida influência  marítima e está condicionado ao relevo local, possuindo um clima subtropical marítimo único, com verões e invernos relativamente amenos. No verão a temperatura máxima chega a 32° a precipitação  pluviométrica anua se eleva a 1.200 mm. A umidade relativa do ar é de 80% em média. Os ventos predominantes são pela ordem: nordeste, sul e leste.

Economia

A base da economia local é a pesca, com alta produção de camarão e siri em suas lagoas, e a exploração de pescados na costa do Atlântico Sul.
A pecuária e a agricultura são desenvolvidas principalmente no interior.
O turismo, o comércio e as pequenas empresas, também são responsáveis pela economia do município.

PESCA

Pesca do camarão

Um dos pontos fortes da economia e do turismo de Laguna. Pratica-se a pesca artesanal em alta escala e a pesca Sofisticada, cuja técnica utiliza iluminação a gás, e que á noite assemelha-se a uma grande cidade distante e iluminada, como num conto de fadas (conhecida como cidade fantasma). O “camarão Laguna” é famoso e reconhecido como um dos melhores do Brasil.

Pesca com Boto

Os molhes da barra, na entrada do canal, dividem o mar: de um lado o Mar Grosso com suas ondas fortes e altas que são as delícias dos surfistas, e do outro a praia do Tamborete. No meio um canal entre os “molhes”, formado pela junção das lagoas e do rio Tubarão que desembocam no alto mar.

A técnica é a seguinte:
Num corredor de águas serenas, surge um dos espetáculos mais apreciados por todos. É a pesca, geralmente de tainhas, feita com o auxílio dos botos.
Os pescadores de pé,  em fila,  dentro d’água, com com as tarrafas prontas para o arremesso, aguardam a chegada do boto. quando ele surge, conduzindo o cardume em direção à praia, os pescadores acompanham parte da perseguição.
Os peixes procuram lugares mais rasos, onde o boto não pode chegar. Em determinado momento ouve-se o “chuá” das tarrafas, atiradas quase ao mesmo tempo.
Uma tarrafa cheia de peixes é um espetáculo fascinante. Os botos são muito semelhantes aos golfinhos e criados dentro do canal em contato com os pescadores, vão perdendo o medo e conforme se acredita, muitos deles chegam a empurrar os peixes para serem capturados pelos pescadores que conhecem cada boto pelo seu nome: Canivete, Chileno, Jucelino, Caroba, Dolores, Tanguinha, Chega Mais, Lata, Galha Torta e outros.
A pesca com boto é feita durante todo o ano, mas é nos meses de maio e junho, “ciclo da tainha”, que a pesca é mais frequente, pela quantidade de peixe.
A tainha “Corceira” vem do Sul, em grandes cardumes, e para a desova precisa de água mansa, por isto ao encontrar lagoas procura refúgio. Os botos são considerados os grandes amigos dos pescadores naquela local.

Praias

Laguna possui inúmeras praias, algumas em estado virgem, procurados somente por pessoas que praticam esporte náutico.

Praias do Norte

Linda e extensa praia, menina dos olhos de todos os laguneses. A mais próxima do centro da cidade, quatro quilômetros.
Muito frequentada na alta temporada pelos turistas.
Tem vida própria, com bares, hotéis, ótimos restaurantes e lojas.
Com 3 km de extensão ela é considerada a zona nobre do município, cujo crescimento vertiginoso e morderno contrasta com o centro Histórico com o Centro Histórico da cidade.

- Iró
Pequena faixa de praia que separa o Mar Grosso da praia do Gi. Conhecida pela beleza das pedras róseas que emolduram a paisagem marinha.

- Gi
Muito frequentada pela população lagunense, impressiona pela limpidez de suas águas cristalinas. No Gi, no alto de uma colina, ergue-se o majestoso Laguna Tourist Hotel, com uma bela arquitetura e paisagismo exuberante.
Com 6 km de extensão, termina em uma pequena elevação e terra e rochas, a ponta do Gi, onde está localizada a famosa pedra do Frade. O lado Norte da Ponta do gi é chamado carinhosamente pelos surfistas por Pico do Cavalinho, e pelo lado Sul, pico da baleia.

- Sol
Localizada após a praia do Gi e a Pedra do Frade, encontramos a praia do Sol, com uma urbanização de qualidade e uma localidade em pleno desenvolvimento.

- Itapirubá
Com 12 km de extensão, termina com uma pequena povoação e o magnífico Hotel Itpirubá, próximo à divisa com Imbituba.

Praias do Sul

- Tamborete
Junto aos molhes Sul, local muito procurado para acampamentos e a prática do surf.

- Gravatá
Praia totalmente agreste. O acesso é somente feito a pé e durante o trajto encomtramos a famosa fruta nativa, o butiá.

- Manelome
Logo a seguir encontra-se essa praia, também conhecida como a praia do Siri. O acesso é o mesmo da praia do Gravatá, lugar procurado para se curtir a beleza natural com tranquilidade.

- Teresa
A praia da Tereza, a exemplo da Galheta, também local preferido dos moradores das cidades da região Sul que querem um local para decansar.

- Galheta
Lugar calmo, procurado por veranistas que constróem suas residencias para desfrutarem da privavidade.

- Ipuã
Vem logo a seguir. Recém urbanizada, frequentada por veranistas principamente de outros estados.

- Cardoso
Praia dos pescadores da região do Farol. Dela partem as embarcações para a pesca em alto mar.

- Farol
Também conhecida por Prainha. Internaionalemnte conhecida por causa do Farol de Santa Marta, possuindo também bons restaurantes, pousadas e hotéis. É a preferida pela juventude

- Cigana
Praia que a exemplo da do Cardozo é mais frequentada por pescadores e banhistas que gostam de lugar sossegado.

Cidade histórica e praiana, o carnaval da Laguna é considerado o melhor do sul do País. Seu carnaval é dividido entre as escolas de samba e os blocos carnavalescos. As agremiações desfilam no sambódromo inaugurado em 2007, sendo que nas semanas que antecedem a festa os ensaios são uma atração à parte.

Já os blocos partem de suas sedes e vão puxando a multidão até um palco que é montado na areia da praia.  O bloco mais popular e mais antigo é o da Pracinha, que reúne pessoas de todas as idades, vai às ruas no domingo, partindo da Praça Souza França, no bairro do Magalhães. Há mais de 50 anos, de forma gratuita, os foliões seguem atrás de trios e carros de som até a madrugada. Há menos de 10 anos foram criados o Bloko Rosa e o Bloco Pangaré Elétrico, que vendem seus abadas e saem respectivamente no sábado e na segunda-feira, cuja “concentração” ocorre na zona portuária do Porto Pesqueiro de Laguna.

Postado por: www.laguna.sc.gov.br - Wikipedia

Deixe seu comentário

Outras notícias

Compartilhar: